Hoje o número de pacientes dos consultórios odontológicos que se submetem a tratamentos quimioterápicos e/ou radioterápicos contra o câncer é muito grande. Mas, em geral, esses pacientes oncológicos são pouco orientados em relação à sua saúde bucal.

Leia mais

Hoje o número de pacientes que se submetem a tratamentos quimioterápicos ou radioterápicos contra o câncer é muito grande. Entretanto, muitas vezes esses pacientes são pouco orientados em relação à saúde bucal.

Todos os pacientes que se submetem a tratamentos a base de quimioterapia ou radioterapia, devem passar por uma avaliação odontológica inicial. Desse modo, é possível identificar possíveis focos de infecções, receber orientações de possíveis complicações bucais e estabelecer condutas preventivas.

As principais complicações bucais em pacientes oncológicos:

Infecções dentais ou periodontais

O paciente que está em tratamento possui um grande risco de desenvolver uma infecção bucal a qual pode ser disseminada para outros órgãos, durante os períodos de mielossupressão induzida pela quimioterapia, levando a complicações ou até a necessidade de suspensão do tratamento oncológico.

Mucosite Oral

É uma das alterações mais comuns, no entanto, é a que causa mais incômodo aos pacientes oncológicos. É uma inflamação de mucosa da boca, que provoca múltiplas úlceras no palato, língua e bochecha. Em média 70% das pessoas desenvolvem mucosite oral, após serem submetidas à quimioterapia/radioterapia. Podendo chegar a 100% nos casos de altas dosagens, como nos casos de transplante de medula óssea.

A mucosite, além de atrapalhar a fala, faz com que o paciente não consiga se alimentar, piorando seu estado clínico.

O tratamento e a prevenção da mucosite podem ser feitos através da aplicação de laserterapia, por dentista especializado. Assim, o procedimento deve começar de forma preventiva na primeira sessão de quimioterapia.

A ação do laser terapêutico é decorrente do seu efeito fotoquímico, atuando no tecido alterado que absorve a radiação laser e a transforma em energia. Desse modo, impede que a mucosite se desenvolva, além de ter efeito curativo quando ela já está instalada.

Xerostomia

Também chamada de “boca seca” é motivo de grande desconforto para o paciente devido à diminuição ou parada do fluxo salivar. Nestes casos, o dentista dará algumas orientações, bem como indicará hidrantes bucais e bochechos específicos.

É muito importante o acompanhamento odontológico durante os tratamentos oncológicos.

Procure seu dentista para evitar complicações.

Siga a @bariniortodontia no instagram e fique por dentro das novidades.

 

Dr. Pedro Barini

Dr. Pedro Barini
Ortodontia
CRO-GO 3286

As aparências podem estar enganando você e criando a ilusão de que o seu ritual na hora de higienizar os dentes está andando a mil maravilhas. Mas alguns detalhes podem fazer toda a diferença para realizar sua higiene bucal de forma correta e manter o seu sorriso saudável de verdade.

Por isso, o Blog do Barini reuniu os principais pontos que você deve observar pra não cometer nenhuma gafe nessa hora. Vamos lá?

1- Não vale exagerar na quantidade de creme dental

Engana-se quem acha que uma boa higiene requer aquela dose caprichada de creme dental. É importante respeitar a quantidade equivalente a um grão de ervilha para adultos, para evitar problemas dentais como fluorose dentária, causada pelo excesso de flúor. Lembre-se de que esse elemento também está presente na água encanada e na sua alimentação!

2- Nem na força

Além de machucar, o uso contínuo da força durante a escovação pode provocar sensibilidade nos dentes e doenças gengivais mais graves, como a retração. O próprio movimento das cerdas é o que garante a limpeza correta. Por isso, sem pressão!

3- Economizar tempo pra quê?

Cada escovação deve durar aproximadamente 2 minutos e ser realizada no máximo meia hora após a refeição. Menos que isso não dá pra garantir que todas as cavidades sejam higienizadas adequadamente. Então, programa-se para isso e deixe a pressa de lado!

4- Esquecer a língua? Jamais!

Além de causar mau hálito, aquela camada branca – conhecida como saburra – é placa bacteriana acumulada, que pode causar problemas mais complicados, como a xerostomia ou sensação de boca seca. Não vai bobear na hora da escovação, hein?

5- O uso do fio dental deve ser diário

Ele previne cárie, mau hálito e doenças causadas pelo acúmulo de placa bacteriana. Por isso, não vale pular esse momento da higiene bucal. Usando o fio dental uma vez por dia, você já vai perceber diferença no seu hálito. Por isso, um sorriso bonito não combina com preguiça!

Uma última orientação: seu dentista sabe direitinho o que você está fazendo de certo ou errado na hora da escovação. Por isso, não deixe de fazer a sua revisão semestral para prolongar a saúde do seu sorriso!

Siga a @bariniortodontia no instagram!

 

Dr. Pedro Barini

Dr. Pedro Barini
Ortodontia
CRO-GO 3286

As aparências podem estar enganando você e criando a ilusão de que o seu ritual na hora de fazer a sua higiene bucal está bom. Mas alguns detalhes podem fazer toda a diferença para realizar essa limpeza de forma correta e manter o seu sorriso saudável de verdade.

Por isso, o Blog da Barini reuniu os principais pontos que você deve observar para fazer uma boa higiene bucal. Vamos lá?

1- Não vale exagerar na quantidade de creme dental

Engana-se quem acha que uma boa higiene requer aquela dose caprichada de creme dental. É importante respeitar a quantidade equivalente a um grão de ervilha para adultos, para evitar problemas dentais como fluorose dentária, causada pelo excesso de flúor. Lembre-se de que esse elemento também está presente na água encanada e na sua alimentação!

2- Nem na força

Além de machucar, o uso contínuo da força durante a escovação pode provocar sensibilidade nos dentes e doenças gengivais mais graves, como a retração. O próprio movimento das cerdas é o que garante a limpeza correta. Por isso, sem pressão!

3- Economizar tempo pra quê?

Cada escovação deve durar aproximadamente 2 minutos e ser realizada no máximo meia hora após a refeição. Menos que isso não dá pra garantir que todas as cavidades sejam higienizadas adequadamente. Então, programa-se para isso e deixe a pressa de lado!

4- Esquecer a língua? Jamais!

Além de causar mau hálito, aquela camada branca – conhecida como saburra – é placa bacteriana acumulada, que pode causar problemas mais complicados, como a xerostomia ou sensação de boca seca. Não vai bobear na hora da escovação, hein?

5- O uso do fio dental deve ser diário

Ele previne cárie, mau hálito e doenças causadas pelo acúmulo de placa bacteriana. Então, não vale pular esse momento da higiene bucal. Usando o fio dental uma vez por dia, você já vai perceber diferença no seu hálito. Por isso, um sorriso bonito não combina com preguiça!

Uma última orientação: seu dentista sabe direitinho o que você está fazendo de certo ou errado na hora da escovação. Por isso, não deixe de fazer a sua revisão semestral para prolongar a saúde do seu sorriso!

Siga a @bariniortodontia no instagram!

 

Dr. Pedro Barini

Dr. Pedro Barini
Ortodontia
CRO-GO 3286

De repente, você começa a sentir sua gengiva inchada e repara que a região está mais vermelha que o normal. A hora de higienizar os dentes também passa a ser mais difícil, com sangramentos locais, especialmente na hora de passar o fio dental. Com o tempo, aparece aquele gostinho ruim na boca e os dentes começam a ficar cada vez mais sensíveis a temperaturas extremas.

Esses são sintomas claríssimos de gengivite, uma inflamação silenciosa e que muitas vezes nem causa dor. Mas que no entanto, pode levar a problemas bucais graves, como a retração na gengiva, a periodontite e até a perda dos dentes.

Uma coisa é certa: tratar a gengivite é relativamente fácil. Mas difícil mesmo é eliminar as atitudes que estão levando o paciente a desenvolver o problema, que tende a se repetir caso esses hábitos permaneçam na rotina.

Por isso, reunimos as principais causas da doença da gengivite pra você se prevenir antes que seja tarde:

1- Negligenciar o fio dental

Muita gente ainda deixa de lado o uso desse poderoso auxiliar da higiene bucal. Isso inclui aquelas pessoas que deixam para usá-lo somente uma vez ao dia. Além de aumentar a probabilidade de cáries, não usar o fio dental aumenta a probabilidade de formação de placa bacteriana, principal causador da gengivite.

2- Escolher a escova de dente errada

Na hora de escovar os dentes, o conforto deve sempre falar mais alto. Por isso, além de cerdas macias, sua escova de dentes deve ter tamanho proporcional à sua boca, que permita alcançar todos os dentes com facilidade. Assim você evita ferimentos e, consequentemente, futuras inflamações e retrações.

3- Escovar com força

Engana-se quem acha que colocar força na escova é sinônimo de dentes mais limpos. Muito pelo contrário, pois isso pode enfraquecê-los ao desgastar o esmalte do dente e ferir as gengivas. O que propicia a proliferação de bactérias causadoras da gengivite.

4- Não fazer limpezas periódicas no seu dentista

Quem deixa para depois a limpeza corre risco de visitar um profissional para tratar de gengivite, graças ao acúmulo de placa e tártaro, que como dissemos anteriormente, são as principais causas da doença.

5- Má alimentação

O que você come não influencia apenas na boa forma. Sua saúde bucal também reflete seus hábitos alimentares, que quanto mais saudáveis forem, mais te deixarão longe das doenças gengivais.

Agora é com você. Elimine todas essas atitudes negativas da sua rotina e fique atento aos sinais da sua gengiva. Em caso de dúvidas, estamos prontos para te atender!

Siga a @bariniortodontia no instagram e fique por dentro das novidades.

 

Dra. Caroline Machado
Dra. Caroline Machado
Periodontia
CRO-GO 6376

Convenhamos que o mau hálito é desagradável e pode prejudicar a convivência social e a autoestima de quem sofre com esse problema de saúde muitas vezes negligenciado. É claro que para tratar o mal pela raiz, é crucial consultar um dentista para identificar as devidas causas e propor tratamentos que vão resolver o problema a curto e longo prazo.

No entanto, muitos pacientes que têm tendência a desenvolver halitose, acabam não se aproveitando da interferência direta da alimentação no problema. Isso porque, apesar de alguns alimentos acentuarem o mau cheiro bucal, outros podem ajudar a preveni-lo, por atuarem como verdadeiros higienizadores.

como-evitar-mau-halito-1

Confira seis grupos de alimentos que vão te ajudar a evitar o mau hálito:

1- Maçã, cenoura e pepino

São conhecidos por realizarem uma verdadeira raspagem nos dentes, impedindo o acúmulo de bactérias. Vale comer com casca e tudo, além de completar a ação com o uso do fio dental.

2- Gengibre

Além de antioxidante e anticoagulante, essa raiz também é um adstringente natural, por estimular alguns processos digestivos. Assim, quem tem tendência a desenvolver mau hálito pode ter balinhas de gengibre sempre por perto para combater o problema.

3- Iogurte natural

A versão sem açúcar ajuda a reduzir os níveis de gás sulfídrico no organismo, uma das causas mais recorrentes do desenvolvimento da halitose.

4- Limão

Essa fruta tem alto poder adstringente e bactericida, eliminando bactérias presentes na boca e em todo o sistema digestivo. Então vale tomar o suco com pouco açúcar ou chupar uma pequena rodela (se conseguir, claro!).

5- Hortelã

Além de deixar um aroma agradável e frescor na boca, mastigar algumas folhas de hortelã acelera a digestão. Isso porque, quando a digestão é lenta, torna-se um terreno fértil para o mau hálito.

Tem mais alguma dica para acrescentar? Fique à vontade para deixar sua sugestão nos comentários e caso o problema persista, estamos prontos para te atender!

Siga a @bariniortodontia no instagram!

 

Dr. Pedro Barini

Dr. Pedro Barini
Ortodontia
CRO-GO 3286